miércoles, 5 de noviembre de 2008

Arte rupestre en Barcelos .Fernando Coimbra 2004






...........Para o homem pré-histórico, certos lugares eram sagrados e era aí que se manifestava a divindade e se lhe devia prestar culto. .........tales enclaves eran verdaderos templos..... elegidos para cumplir una doble función: propiciar el favor de la divindad y rendirle culto mediante una muestra perpetua del sentido del rito. Para eso, nada mejor que pintar o grabar en la roca, símbolo de la inmutabilidad....A rocha assim gravada fica investida de uma qualidade sagrada.... implicando que en ese espacio la divinidad volverá a manifestarse, cada vez que el hombre, a través de los ritos de propiciación la invoque.

.........a arte rupestre poderá em alguns casos servir como transmissão de conhecimentos ao longo de gerações..
..................a ideia de um significado simbólico-religioso para as gravuras, sendo os seus autores,“artisti sacerdoti o artisti guidati da sacerdoti”, que seriam “indivíduos destacados” da sociedade

.........como referiu Mircea Eliade,as pesquisas sistemáticas feitas sobre o mecanismo da
«mentalidade primitiva» revelaram a importância do simbolismo para o pensamento arcaico e,
ao mesmo tempo, o seu papel fundamental na vida de toda a sociedade tradicional

Actualmente as covinhas começam a receber mais atenção por parte dos estudiosos,
tornando-se um “campo di studio affascinante e difficile, nel quale le ipotesi sono aperte in
molte direzioni”. Refira-se, a título de exemplo, o congresso realizado nos dias seis e sete de Outubro de 2001 em Verbania, Lago Maggiore, Itália, intitulado “Le incisione rupestri non figurative nell’arco alpino meridionale” onde quase todas as comunicações se centravam em torno das covinhas do Norte de Itália e da Suíça. Uma segunda edição deste congresso, e com a mesma temática, realizou-se em Setembro de 2002 em Cavalasca, Como, Itália, com o título “Coppelle e dintorni”.

ARTE RUPESTRE DO CONCELHO DE BARCELOS (PORTUGAL)
Anuario Brigantino 2004, nº 27